Rafael Cardoso faz cirurgia no coração: ‘evita o risco de morte súbita’ (Foto: Reprodução/Instagram)

O ator Rafael Cardoso usou o seu perfil oficial do Instagram para anunciar aos seguidores que precisou realizar uma cirurgia de implantação de desfibrilador cardíaco. O artista, que sofre de miocardiopatia hipertrófica congênita, uma doença no músculo do coração, apresentou uma fibrose no músculo cardíaco que o colocou no grupo de risco de morte súbita.

+Vacinado, Lima Duarte celebra poder voltar a atuar: ‘sendo muito bom’
+Ícaro Silva rebate vídeo polêmico de Juliana Paes: ‘talvez te falte empatia’
+Sarah Andrade fala sobre pós-operatório de cirurgias plásticas: “Altos e baixos”

Amigos, passei hoje por uma cirurgia para implantar um desfibrilador cardíaco. Tenho uma miocardiopatia hipertrófica congênita, com a qual convivi até agora sem problemas. No último mês descobri que essa condição levou a uma fibrose no músculo cardíaco que me põe no grupo de risco de morte súbita. É isso que o desfibrilador evita. Agradeço ao Dr. Fabrício Braga, que me diagnosticou, e ao cirurgião Dr. Eduardo Saad e equipe, que hoje implantaram o desfibrilador, e à equipe do Hospital Copa Star pelo cuidado e carinho. A cirurgia foi rápida, estou me sentindo muito bem e amanhã mesmo já volto para casa“, escreveu o ator na legenda da publicação.

Relacionados

A esposa do ator, a influencer Mariana Bridi, também usou as redes sociais para se declarar ao marido e disse estar grata pela cirurgia. “E já que hoje eu tô pura gratidão…um #tbt de 2009 (a gente já tava junto desde 2007) com o menino que tem o coração mais lindo e agora potente do mundo! Love youuuu“, escreveu Mariana, que tem dois filhos com Rafael, Aurora, de 6 anos, e Valentim, de 3.

A cardiomiopatia hipertrófica ou miocardiopatia hipertrófica é uma doença do músculo cardíaco na qual uma porção do miocárdio (músculo do coração) está hipertrofiada (mais grosso) sem nenhuma causa óbvia, criando uma deficiência funcional do músculo cardíaco. E é a principal causa de arritmia ventriculares em jovens atletas, podendo causar desmaios, infarto do miocárdio e morte súbita.