O rapper Tekashi 6ix9ine é processado por abusar sexualmente de uma garota de 13 anos. (Foto: Getty Images)

Tekashi 6ix9ine está sendo processado por divulgar vídeos íntimos de uma garota de 13 anos. Segundo novos documentos judiciais, a vítima, que usa o nome fictício de Jane Doe, moveu ações contra o rapper e Tauquan “Tay Milly” Anderson por a levar em uma festa no dia 21 de fevereiro de 2015, gravarem vídeos dela nua e depois os publicar nas redes sociais.

+Katy Perry e Orlando Bloom compram mansão com vista para o mar por R$76 milhões
+“Tô ficando de saco cheio disso”, diz Juliana Caetano ao rebater críticas
+Monique Evans viaja para São Paulo e reencontra a filha, Bárbara Evans

Jane, que tinha apenas 13 anos na época, foi induzida a praticar atos sexuais, com Tay Milly, que tinha 21 anos e Tekashi, com 18 anos. Em uma outra ocasião, Daniel Hernandez, nome verdadeiro do rapper, havia aceitado um acordo judicial pelo abuso sexual que cometeu, e foi condenado a quatro anos de liberdade condicional e 1.000 horas de serviço comunitário em outubro de 2018.

Relacionados

Agora a mulher identificada como Jane Doe está acusando Tekashi 6ix9ine, e o outro aspirante a rapper, Tay Milly, de abuso sexual infantil, agressão sexual infantil e sofrimento emocional. No processo, a mulher alega que como era menor de idade e estava sob influência de álcool e drogas, ela não pôde dar consentimento aos para quaisquer atos sexuais.

Ainda segundo os documentos do processo: “Por causa da sua idade, e por receber drogas e álcool que a deixaram em um estado mental debilitado sem seu conhecimento, permissão ou consentimento, a demandante foi incapaz de consentir com a gravação. Como um artista e performer de rap e hip hop internacionalmente conhecido, o réu Hernandez publicou [os vídeos] em várias contas de rede social na internet com a intenção e expectativa de que milhões de pessoas veriam os vídeos. A conduta de Tekashi contra o querelante foi intencional, maliciosa e feita com o propósito de fazer com que o querelante sofresse humilhação, angústia mental e sofrimento emocional”, acusa o processo.