MC Ellu afirma que foi estuprada por DJ Marlboro: “Eu quero justiça” (Foto: Reprodução/Instagram)

A cantora MC Ellu veio a público falar sobre uma violência sexual que teria sofrido do DJ Marlboro em 1988, quando ela tinha 17 anos.

+ Pétala Barreiros afirma que foi estuprada por Marcos Araújo aos 14 anos
+ Duda Reis fala sobre estupro de Nego do Borel: “Quando tive consciência, fiquei muito mal”
+ MC Rebecca defende Anitta após matéria polêmica do SBT

MC Ellu contou sobre o caso no programa Balanço Geral. “Eu conheci o Marlboro em um baile que eu fui dublar Janet Jackson, eu tinha 17 anos. Após a minha apresentação, ele me ofereceu uma carona até a minha casa. No caminho, ao invés de ele me levar em casa, ele me levou para um motel”, começou ela.

“A gente entrou no quarto, eu sentei na cama e ele falou assim: ‘Não vai acontecer nada que você não queira’. Resumindo, aconteceu o pior, ele foi às vias de fato. Eu era virgem, saí de lá chorando”, relatou a cantora.

Relacionados

Ela ainda comentou sobre o que fez ela demorar tanto tempo para denunciar. “Ele prometeu que ia me ajudar, ia me botar na gravadora, ia produzir minhas músicas e ficou por isso mesmo. Eu saí de lá chorando. Eu não denunciei antes, primeiro por medo, porque ele falou que se eu falasse pra alguém, poderia acontecer uma coisa ruim comigo”, afirmou. “E, no decorrer desses anos todos, eu fazendo programa de televisão, correndo atrás, sendo muito prejudicada no mercado, por culpa dele, porque ele faz o favor de me queimar, de me prejudicar. Ele tenta me prejudicar até hoje com medo de eu contar essa história”, explicou.

“Só que agora eu cansei. Eu quero justiça, eu quero ter a minha vida de volta, e conseguir trabalhar e mostrar o meu trabalho. Que esse destruidor de sonhos não destrua a vida de mais ninguém, porque foi o que ele fez comigo”, disse ela.

Fernando Luís Mattos da Matta, conhecido como DJ Marlboro, nega qualquer acusação e diz estar tranquilo. Conhecido como o criador do “funk carioca”, ele foi acusado de pedofilia em 2009, mas foi dado como inocente oito anos depois.