Camilla Camargo fala sobre segunda gravidez: “Não estava aguentando ficar em pé” (Foto: Reprodução/Instagram)

Em entrevista ao Kogut, Camilla Camargo, filha de Zezé Di Camargo e Zilu Godói, falou sobre a gravidez de Julia. A atriz disse que a gestação da filha está sendo bem mais difícil do que a primeira.

+ Grávida pela segunda vez, Camilla Camargo mostra diversão na banheira com filho
+ Zezé di Camargo homenageia o pai, e causa preocupação em fãs, veja!
+ Zilu Godoi posta foto em Miami, Flórida, com viseira grifada de R$ 2,6 mil

Camilla, que também é mãe de Joaquim, afirmou que percebe pela gestação que cada ser humano é único. “Estou tendo uma gravidez completamente diferente, começando pelo peso. Na do Joaquim, ganhei 21 quilos. Desta vez, foram 12 até o momento. Apesar disso, quando estava grávida dele, não senti nada. Viajei, fui para Disney e Nova York, andei muito. Estava ótima. Já a gestação da Julia começou com enjoos 24 horas por dia. Por isso, até desconfiei de que estava grávida. O primeiro trimestre todo foi assim. O segundo foi um pouco melhor. E agora, no último, está bem difícil novamente”, disse.

Relacionados

“Estou tendo que fazer exercícios para ela mudar de posição, pois está sentada. Tenho pubalgia, que dá muitas dores, além de síndrome do túnel do carpo, que nem sabia que existia. Acordo de madrugada com as mãos dormentes. Fora esse calor, que piora tudo. Sábado me dei uma folga e passei quase o dia todo deitada. Não estava aguentando ficar em pé”, desabafou.

Além disso, explicou que cuidar de Joaquim, que tem apenas 1 ano, também faz com que ela se sinta ainda mais cansada. “Na gestação dele, eu podia ficar mais deitada, se quisesse. Se sentia sono, ia dormir. Agora, não dá. Estou falando com você caminhando grávida nesse calor, coisa que jamais faria, porque fico com dó do Joaquim trancado em casa o tempo todo. Então, ponho no carrinho e levo para ver os peixinhos dos lagos aqui no condomínio”, contou Camilla.

Camilla ainda revelou que a gravidez de Julia não foi planejada. “Queria parar o remédio quando ele estivesse com uns 2 anos. Mas aconteceu, e foi na hora que tinha que vir. Eu estava achando que ia ter que operar endometriose, mas já estava grávida. Parei a pílula para fazer os exames, mas nem cheguei a menstruar depois da gravidez do Joaquim. Diante de uma probabilidade tão baixa, é porque era a hora mesmo”, concluiu.