A pin-up Tempest Storm, conhecida por seus cabelos de fogo e por ter estrelado filmes de Russ Meyer e Irving Klaw, morreu na terça (20/4) em seu apartamento em Las Vegas aos 93 anos.

Tempest Storm. Foto: reprodução Instagram

Sua lista de amantes conhecidos – ou pelo menos muito comentados incluía Elvis Presley, Mickey Rooney, Louis Armstrong e até o presidente John F. Kennedy.

+ Andressa Suita registra momento especial com os filhos: “Tempo, vai com calma”
+ Larissa Manoela surge com blazer aberto sem nada por baixo e anima a web
+ Juju Salimeni posa de micro-biquíni em cenário paradisíaco da Bahia
+ Marcela McGowan nega rumores de participação em No Limite relembrando prova do BBB 20

A artista sofria de demência e recentemente foi submetida a uma cirurgia no quadril.

Tempest Storm. Foto: reprodução Instagram

Nascida Annie Blanche Banks em Eastman, Geórgia, Tempest se mudou para Hollywood aos 20 anos, já divorciada duas vezes. O dinheiro como garçonete não pagava as contas e, assim, virou stripper no Follies Theatre, adotando o nome artístico Tempest Storm no final dos anos 1940.

Suas apresentações burlescas a tornaram amiga de várias celebridades de Hollywood, desde a vizinha Marilyn Monroe até Frank Sinatra. Mas foi o diretor e produtor Russ Meyer quem teve a ideia de levá-la ao cinema, escalando-a em seus primeiros documentários de exploitation (exploração sexual), que registravam espetáculos de striptease e alimentavam o fetiche de mulheres de seios grandes. Sua estreia foi no curta “The French Peep Show” (1949), de Meyer, logo seguida pelos longas “Strip Strip Hooray” (1950), “Striptease Girl” (1952), “A Night in Hollywood” (1953) e muitos outros.

Relacionados
Tempest Storm. Foto: reprodução Instagram

Em 1955, ela chegou a dividir a tela com outra pin-up icônica, Bettie Page, no clássico “Teaserama” de Irving Klaw.

Embora tenha feito consideravelmente muitos filmes, Storm atuou pouco, pois a maior parte de sua filmografia foram registros documentais. Mesmo assim, participou de filmes de ficção, todos de títulos sugestivos, como “Paris After Midnight” (1951), “Paris Topless” (1966) e “Mundo Depravados” (1967).

Nos anos 1970, Storm mudou de público, virando musa do rock. Em 1973, chegou a compartilhar uma turnê com a banda James Gang, que incluiu uma parada no Carnegie Hall de Nova York. “Essa foi a melhor apresentação”, ela disse mais tarde. “Que emoção.”

Tempest Storm. Foto: reprodução Instagram

Sua última apresentação ao vivo aconteceu em junho de 2010 durante um show de ícones do Burlesque Hall of Fame. Naquela noite, ela fraturou o quadril esquerdo, encerrando suas aparições no palco.

Mas ela continuou aparecendo na mídia. Em 2011, foi entrevistada pelo roqueiro Jack White para um álbum chamado “Interview With Tempest Storm”, lançado pela própria empresa de White. E em 2016 sua vida foi tema de um documentário, “Tempest Storm: Burlesque Queen”, dirigido pela cineasta canadense Nimisha Mukerji e premiado no festival Hot Docs. Assista ao trailer abaixo.

Tempest Storm. Foto: reprodução Instagram